Desenvolver Recomenda-se

Compreensão da leitura

1. Promover o desenvolvimento da compreensão da leitura

Para um ensino da compreensão da leitura a diferentes níveis é fundamental ter presente o objetivo pedagógico e as tarefas mais adequadas para o alcançar. O quadro abaixo sistematiza alguns exemplos de tarefas que se recomendam para o trabalho de cada nível de compreensão.

TIPO DEFINIÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO
Compreensão literal Reconhecimento de toda a informação explicitamente incluída num texto:

    » Reconhecimento de ideias principais
    » Reconhecimento de uma sequência
    » Reconhecimento de detalhes
    » Reconhecimento de comparações
    » Reconhecimento de relações de causa-efeito
    » Reconhecimento de traços de carácter de personagens

Reorganização Sistematização, esquematização ou resumo da informação, consolidando ou reordenando as ideias a partir da informação que se vai obtendo de forma a conseguir uma síntese compreensiva da mesma:

    » Classificar
    » Esquematizar
    » Resumir
    » Sintetizar

Compreensão inferencial Ativação do conhecimento prévio do leitor e formulação de antecipações ou suposições sobre o conteúdo do texto a partir dos indícios que proporciona a leitura:

    » Dedução da ideia principal 
    » Dedução de uma sequência
    » Dedução de detalhes
    » Dedução de comparações
    » Dedução de relações causa-efeito
    » Dedução de traços de carácter de personagens
    » Dedução de características e aplicação a uma situação nova
    » Predição de resultados
    » Hipóteses de continuidade de uma narrativa
    » Interpretação de linguagem figurativa

Compreensão crítica Formação de juízos próprios, com respostas de carácter subjetivo (identificação com as personagens da narrativa e com os sujeitos poéticos, com a linguagem do autor, interpretação pessoal a partir das reações criadas baseando-se em imagens literárias):

    » Juízos de atos e de opiniões
    » Juízos de suficiência e de validade
    » Juízos de propriedade
    » Juízos de valor, de conveniência e de aceitação

Fonte: Viana, F. L., Ribeiro, I. S., Fernandes, I., Ferreira, A., Leitão, C., Gomes, S., Mendonça, S., & Pereira, L. (2018). O ensino da compreensão leitora. Da teoria à prática pedagógica. Um programa de intervenção para o 1.º ciclo do Ensino Básico (2.ª Ed.), p. 15.  Coimbra: Edições Almedina. http://hdl.handle.net/1822/11219


2. Monitorizar e avaliar a compreensão da leitura 

Antes de se pensar em como avaliar a compreensão da leitura, é necessário clarificar quais são os objetivos desta avaliação. Pode optar-se por uma avaliação “de produto”, isto é, da mudança de conhecimento que ocorre depois da leitura. Ou pode optar-se por uma avaliação “de processo”, quando o objetivo é o de identificar que processos (ou subprocessos) o leitor convoca (ou não) para que ocorra compreensão. Os dois tipos de avaliação não são mutuamente exclusivos, mas complementares. 

As perguntas são as tarefas mais comuns para avaliar a compreensão da leitura. As mais frequentes assumem o formato de resposta aberta, de resposta de escolha múltipla, ou do tipo verdadeiro/falso. Tarefas como construção de tabelas ou o seu preenchimento, a elaboração de esquemas e de resumos, bem como a reordenação de afirmações são também tarefas a utilizar. Esta diversidade deve estar presente, uma vez que a resposta que é exigida requer competências diferentes, que importa desenvolver. Independentemente do formato adotado, elas devem contemplar todos os níveis de compreensão da leitura. A título de exemplo, na classificação de um conjunto de afirmações como verdadeiras ou falsas, poderá haver algumas que remetam para informação explícita no texto e outras que apresentem uma inferência a ser reconhecida. 

As tarefas utilizadas para a avaliação “de produto” podem, também, ser complementadas com outras de avaliação “de processo”. Por exemplo, além de uma pergunta do tipo “Qual foi a primeira pessoa a chegar junto do ferido?”, pode incluir-se uma outra em que se solicite que o aluno explique como chegou a essa resposta.

Autoria: Fernanda Leopoldina Viana e Iolanda Ribeiro          Edição: Andreia Lobo

Publicação: 22.setembro.2020

Textos Relacionados